Nestes tempos de pandemia é comum ver, em especial nas redes sociais, muitos irmãos em Cristo colocando versículos bíblicos como o Salmo 91, em especial os versículos 9 e 10. Nestas postagens, fazem isto para dizer que não é preciso se preocupar demasiadamente com a pandemia, pois se você é cristão então Deus o protegerá, pois o prometeu. No entanto, devemos ter cuidado para não interpretarmos a Bíblia erroneamente. Pedro fala sobre esta atitude (2 Pedro 3.16). É fundamental que, em tempos de pandemia ou não, tenhamos uma atitude sadia em relação à INTERPRETAÇÃO BÍBLICA.

Antes de mais nada é preciso compreendermos que a Bíblia é sobre Deus e não sobre nós. Assim, nem tudo que está escrito na Palavra é uma promessa para nós. Isto não significa que nem tudo é Palavra útil e apta para nós, pois TODA a Bíblia é Palavra de Deus inspirada, útil e apta (2 Tm 3.16). No entanto, há na Palavra promessas, doutrinas, relatos históricos, profecias e poesias. Ou seja, NEM TUDO é promessa. Cada qual deve ser observada em seu contexto e, a partir de então, devidamente interpretada e aplicada.

A partir disso, é possível analisar, compreender e aplicar o Salmo 91. Ele é parte da literatura poética da Bíblia. Ou seja, como os demais salmos, provérbios, livro de Cantares, de Eclesiastes e Jó, ele é um texto poético. Uma poesia do homem para Deus (e não necessariamente o contrário), seja para ser cantado ou em forma de oração. Neste caso, especificamente, podemos ver o autor desta poesia iniciando-a com a afirmação que o que vive com Deus pode dizer tais coisas. Depois ele reafirma esta ideia de confiança nos cuidados do Senhor ao repetir a ideia a partir do versículo 9 (a poesia hebraica tem esta rima de ideias e não de sonoridade das palavras). Perceba que aqui há uma poesia sobre a confiabilidade de Deus e o descanso que os que confiam Nele podem ter. Porém, não se trata de uma afirmação divina de que não teremos doenças, até porque se o fosse deveríamos pisar em leões e serpentes (v. 13) visto que é uma expressão imperativa. O fato é que esta linda poesia busca ressaltar o quanto Deus é confiável e há descanso em nosso ser quando lembramos desta realidade.

Podemos, portanto, aplicá-la a nossos dias, não como um impedimento à precaução, mas como uma reflexão semelhante à do Salmo 42. Naquele salmo o autor, em meio à angústia, questiona a inquietação de sua alma e responde a si mesmo: “espera em Deus [minha alma], pois eu ainda o louvarei”. O que ama a Deus e anda com ele pode confiar que Deus sabe o que é melhor para si, mesmo em meio a um vale de sombra e morte. Ou seja, não há uma exortação para crer nesta “promessa” e sim um júbilo pelo fato de que, ao descansarmos nos braços de um Deus que é Pai zeloso e Senhor sobre tudo e todos, sentimos que não há mal que venha a nos abater de fato. É interessante também observar que o salmista ainda não tinha a compreensão e a esperança que temos, uma vez que a poesia foi escrita séculos antes do nascimento de Cristo. Ou seja, nós que cremos, ainda que vejamos todo o mal que aumenta a cada dia, como as guerras (v. 5), doenças (v. 6) e a impiedade (v. 8), temos a certeza da invisível presença, proteção e do cuidado de Deus. Nossa esperança não está na paz mundial, ausência de doenças ou correção moral e ética da humanidade, mas em que o Cristo que morreu e ressuscitou voltará para reinar eternamente em Glória. Os que conhecem a Ele (v. 14) terão vida longa e salvação (v. 16). Mas esta esperança se baseia em promessas registradas em outros trechos da Palavra os quais se propõem a serem promessas de fato (p. ex.: Jo 3.36, 6.47, 11.25).

Pr. Cléber Ribas

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Share This
× Como posso te ajudar?