Estávamos cientes que a revolução digital um dia chegaria às nossas instituições de educação. Mas assim? Do dia para a noite? Não! Nenhum de nós envolvido com a Educação imaginou que a “educação de casa” chegaria assim tão rápido, de uma hora para a outra, de forma obrigatória devido à expansão do coronavírus.

Em todo mundo decretos governamentais fecham temporariamente as instituições educacionais na tentativa de conter a propagação da pandemia do COVID-19. Segundo a Unesco até final de março, cerca de 1,5 bilhões de alunos, crianças e jovens, estavam afastados das escolas e universidades ao redor de todo mundo. Não são férias e nem aulas canceladas, mas suspensas e necessidade de serem adaptadas à nova modalidade “a distância”, as quais, receberam várias nomenclaturas: EAD, atividades remotas, aulas programadas, aulas virtuais. Todos com o mesmo objetivo de permanecer conectados com os alunos em prol da sua aprendizagem.

As perspectivas apresentam-se sombrias, sabemos que uma crise também apresenta uma oportunidade para repensar nossas percepções da educação. Se pudermos enfrentar o desafio, poderemos aproveitar lições sobre como adaptar a aprendizagem para continuar em tempos difíceis e apoiar os alunos deslocados fisicamente de suas escolas. 

Antes desta pandemia inúmeras eram as razões apontadas como sendo o problema da educação brasileira, seja os valores dos salários pagos aos professores, a indisciplina dos alunos, o índice das repetências, o analfabetismo ainda existente, a conclusão do ensino fundamental sem o domínio da leitura e da escrita, o ensino médio ruim, as deficiências e carências da escola pública , dentre outras. Estas críticas tão constantes e estão, por assim dizer, estavam impregnadas nas mentes dos brasileiros, sem questionar por que não conseguimos alcançar sucesso escolar mesmo com tantos investimentos em prol da qualidade da educação e vivendo numa sociedade informatizada, capitalista e globalizada.

A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação nacional, nº 9.394/96, situa o professor como eixo principal da qualidade da educação, apresentando a formação docente essencial para que a associação entre teoria e prática seja uma prática. De acordo com estudos anteriores à pandemia a concepção moderna de educador exige uma sólida formação científica, técnica e política, viabilizadora de uma prática pedagógica crítica e consciente da necessidade de mudanças na sociedade brasileira.

Todos estes discursos evaporaram no dia em que o aviso de “Ficar em casa” foi comunicado de uma forma tão rápida, assustando, preocupando e com muitas perguntas sem respostas. Mas uma pergunta não quer calar: educação pode parar assim? De repente foi tirado do professor a sua sala de aula, seu giz, seu quadro, sua interação com os alunos, seus abraços diários, seu convívio com colegas e aquele bate papo entre portas.

Após entendermos globalmente o que a pandemia trouxe ao cotidiano escolar, mais do que saber “o que” e “como” ensinar de casa, a qualidade da educação precisou da “atitude interna” do professor. Ensinar e aprender são processos naturais e relacionais – o coração e a mente do professor interagem com o coração e a mente do estudante.

Professor não é apenas o conhecimento de teorias, métodos e práticas pedagógicas, mas sim educação requer um professor sendo um currículo vivo que inspire um amor ao aprendizado, à sabedoria e ao conhecimento para toda a vida e o faz ao relacionar-se com cada educando individualmente.

Na prática o compromisso de cada educador é cultivar no aluno o espírito inquiridor, ensiná-lo a expressar adequadamente as suas ideias, a aprender com os erros, além de enfrentar obstáculos, levá-lo a acreditar em si e a descobrir seus talentos e potencialidades, despertando o desejo pelo saber. Assim, o professor com visão de futuro amplia o seu campo de ação educacional, o que proporciona ao aluno descobrir o funcionamento e o significado do que lhe é proposto, sabendo o porquê do ensinar e o porquê do aprender. 

Este novo tempo requer do professor uma “atitude interna” para além do discurso, estar dispostos a ser currículos vivos na vida dos seus educandos apesar dos desafios de ensinar de casa com outras estratégias de ensino. Qualidade de ensino não é apenas sinônimo de presença física, mas também, qual é a minha disposição interna para adaptar-me a novas formas de ensinar sempre com o objetivo de relacionar-se com a aprendizagem dos meus educandos.

Howard Hendricks, em seu livro Ensinando para transformar vidas, apresenta três conceitos da essência da comunicação elaborada por Sócrates: ethos, pathos e logos. Ethos diz respeito à credibilidade do educador, suas credenciais. O quanto as pessoas acreditam em sua integridade e competência. Ele afirma que o jeito de ser do educador é mais importante do que o que diz ou faz, já que determina exatamente o que diz ou faz. Aquilo que é como pessoa é o fator que mais pesa na atuação. É preciso que confiem no educador, e, quanto mais confiarem, melhor este conseguirá comunicar o que deseja. Pathos refere-se ao lado empático, o modo como o educador desperta as emoções e os sentimentos de seus educandos, e logos denota o conteúdo programático, a parte lógica, pensada da comunicação, a apresentação da argumentação.

O interesse principal do educador não deve ser apenas a transmissão, mas sim o quanto influencia seus educandos. Além de palavras, os educandos precisam perceber a vivência, a emoção, o sentimento do que está sendo ensinado, em suma, o que é dito precisa estar em harmonia com o que é vivenciado. Hendricks reforça que, para haver ensino eficiente, é necessário que o educador seja uma pessoa transformada, quanto mais sua vida for transformada, mais transformações serão efetuadas nos outros por seu intermédio.

Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele; sendo iluminados os olhos do vosso entendimento. Efésios 1:17-18

Dra. Monica Pinz Alves
Professora da Faculdade Batista Pioneira

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Share This
× Como posso te ajudar?